INCT-TA realiza estudos de campo com biomarcadores em ambientes dulcícolas

Dando continuidade ao seu programa de pesquisa, o INCT-TA realizou estudos de campo visando à calibração e validação dos biomarcadores no modelo biológico de água doce, o peixe Prochilodus lineatus, os quais foram selecionados após estudos realizados em laboratório pela rede de pesquisadores do instituto, no período de 2009 a 2011.

Assim como para os estudos realizados em águas costeiras e marinhas, a rede de pesquisa do INCT-TA selecionou potenciais biomarcadores de exposição e de efeito que apresentaram resposta significativa a diferentes classes de compostos químicos (hidrocarbonetos, metais e pesticidas). Dando continuidade à sua proposta de pesquisa e desenvolvimento, os pesquisadores desenvolveram, então, estudos em ambientes aquáticos dulcícolas visando à calibração e validação dos potenciais biomarcadores de contaminação selecionados nos estudos realizados anteriormente em laboratório.

peixe

Prochilodus lineatus

Assim, foram realizados estudos in situ em arroios, riachos, rios e lagoas de água doce nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
Para isso, foram selecionados ambientes caracteristicamente contaminados por hidrocarbonetos, metais e pesticidas. Da mesma forma que para os estudos em ambientes costeiros e marinhos, a seleção dos ambientes aquáticos dulcícolas foi feita com base no estudo de séries de dados históricos sobre a contaminação química dos ambientes em análise, bem como a compatibilidade dos valores dos parâmetros físico-químicos da água nestes ambientes com aqueles utilizados para realizar os testes em laboratório.

Foram selecionados locais próximos ao município de Joinville (SC) para a realização dos experimentos, visando à avaliação da resposta dos biomarcadores em Prochilodus lineatus exposto a um gradiente de hidrocarbonetos. Cabe ressaltar que esta região é caracterizada por seu forte desenvolvimento industrial e historicamente considerada como sendo contaminada por estes compostos químicos.

Por sua vez, o experimento de campo para testar a resposta dos biomarcadores selecionados em laboratório após a exposição de Prochilodus lineatus ao cobre foi realizado na região das Minas do Camaquã, no município de Caçapava do Sul (RS). É importante salientar que esta região foi palco de mineração do cobre por mais de um século, tendo estas atividades sido interrompidas no final da década de 1980. Já os estudos em campo para avaliar a resposta dos biomarcadores em Prochilodus lineatus exposto ao herbicida atrazina foram realizados em ambientes de lagoas no município de Londrina (PR).

Assim como para o caso dos ambientes costeiros e estuarinos, foram avaliados biomarcadores morfológicos, moleculares, bioquímicos, fisiológicos, genéticos e comportamentais. Em todos os casos, os resultados obtidos até o momento também são bastante promissores e indicam a possibilidade de seleção de biomarcadores específicos que poderão ser utilizados em programas de gestão e monitoramento de ambientes dulcícolas brasileiros quanto à qualidade destes frente aos aportes de hidrocarbonetos, metais e pesticidas.

Anúncios
Esse post foi publicado em Pesquisas. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s